sábado, 24 de junho de 2017

Leituras Curiosas.


Um passeio único pelo mundo da ciência e das realizações cientifica. O processo científico avança por meio de erros, o que faz deles, portanto, peças essenciais para o progresso. Charles Darwin, William Thomson (Lord Kelvin), Linus Pauling, Fred Hoyle e Albert Einstein eram cientistas incríveis e deram contribuições brilhantes em suas áreas, mas deram também suas mancadas. A teoria da seleção natural de Darwin não deveria ter funcionado; Lord Kelvin cometeu um erro absurdo em seu cálculo da idade da Terra; Pauling construiu, com pressa, um modelo errado de DNA; Hoyle descartou a ideia da origem do universo através do que se chamou ironicamente de “Big Bang”; e Einstein fez especulações incorretas sobre as forças que mantêm o universo em equilíbrio. “Tolices brilhantes” é um exame revelador da psicologia de cinco cientistas fascinantes que, apesar de seus erros, expandiram nosso conhecimento sobre a vida na Terra e sobre a evolução do planeta e do universo.

"Não há dúvida de que cientistas como Albert Einstein e Charles Darwin mudaram o mundo com as descobertas e pesquisas sem precedentes em suas áreas de atuação. Mas até figuras como estas tiveram seus dias ruins. Em Tolices brilhantes, o astrofísico americano Mario Livio relembra e destrincha as mancadas cometidas por cinco dos maiores nomes da ciência mundial. No texto, o autor avalia as consequências inesperadas destes “erros” provocados pelos cinco cientistas e tenta analisar suas prováveis causas. Além disso, mostra que, é claro, foram essas tolices que acabaram pavimentando o caminho para a descoberta e a inovação, já que o processo científico, habitualmente, avança exatamente por causa dos erros. Entre os temas, ele mostra que a teoria de seleção natural de Darwin não deveria ter funcionado; revela que Lord Kelvin cometeu um erro absurdo em seu cálculo da idade da Terra; afirma que Linus Pauling construiu, com pressa, um modelo errado de DNA; que Fred Hoyle descartou a ideia da origem do universo através do que se chamou ironicamente de “Big Bang”; e que, por fim, Einstein fez especulações incorretas sobre as forças que mantêm o universo em equilíbrio." (Publishnews)


Veja Também: Indicações de Leitura.

segunda-feira, 12 de junho de 2017

Cine Pipoca 10



Sinopse: A história gira ao redor de Maddy (papel de Amandla Stenberg, a Rue de Jogos Vorazes), jovem de 18 anos que nunca saiu de casa por ter uma rara doença que a faz ser alérgica a quase tudo. Acostumada a conviver apenas com a mãe (Anika Noni Rose) e uma enfermeira (Ana de la Reguera), ela acaba se apaixonando pelo novo vizinho, Olly (Nick Robinson)


A DreamWorks Animation e o diretor de Madagascar convidam você a conhecer um bebê muito incomum. Ele usa terno, fala com a voz e o charme de Alec Baldwin, e é o astro da comédia de animação O Poderoso Chefinho (da DreamWorks). O Poderoso Chefinho é uma história universal hilária sobre como a chegada de um novo bebê impacta a família, contada do ponto de vista de um narrador deliciosamente confiável, Tim, um garoto de 7 anos com uma imaginação vívida. Com uma mensagem que aquece o coração sobre a importância da família, O Poderoso Chefinho é uma comédia original e autêntica que agradará ao público de todas as idades.


The Circle é uma das empresas mais poderosas do planeta. Atuando no ramo da Internet, é responsável por conectar os e-mails dos usuários com suas atividades diárias, suas compras e outros detalhes de suas vidas privadas. Ao ser contratada, Mae Holland (Emma Watson) fica muito empolgada com possibilidade de estar perto das pessoas mais poderosas do mundo, mas logo ela percebe que seu papel lá dentro é muito diferente do que imaginava.

Também poderá gostar de: Cine Pipoca 9.

quarta-feira, 7 de junho de 2017

Livro: Era Uma Vez Um Sonho - A História de Uma Família da Classe Operária e da Crise da Sociedade Americana.


"Era uma vez um sonho retrata o impacto da decadência cultural e econômica de uma sociedade sobre a história pessoal de cada um A história de J.D. Vance poderia ser igual à de milhares de outras pessoas que cresceram nas mesmas condições que ele. Seus avós migraram para a região dos Estados Unidos conhecida como Cinturão da Ferrugem, onde se tornaram operários de classe média. Mas a relativa ascensão social não significou que seus descendentes conseguissem escapar da situação de pobreza material e cultural que os prendia a um ciclo contínuo de violência doméstica, abuso de álcool e drogas e falta de perspectivas de forma geral. É nesse contexto que o autor de Era uma vez um sonho nasce e cresce, alternando momentos de negação da (des)estrutura familiar e outros de proximidade, mas nunca deixando de tentar entender o que estava errado e o que os levava a cometerem sempre os mesmos equívocos, comuns também às famílias vizinhas. J.D Vance transforma sua experiência pessoal numa narrativa emocionante sobre a degradação da classe trabalhadora branca americana – mas que poderia se passar em qualquer outro lugar do mundo. É pioneiro ao trazer uma perspectiva interna do declínio de um grupo social, visto pelos olhos de alguém que conseguiu romper com essa situação e se formar em direito numa das mais prestigiadas universidades do país. Best-seller #1 do New York Times desde novembro de 2016, o livro tem sido indicado também para quem deseja compreender as condições que suscitaram a vitória de Donald Trump nas eleições presidenciais dos EUA. Com uma honestidade pungente, apresentando personagens de uma realidade dura, cruel e por vezes também bem-humorada, ao alcance de todos nós, J.D. Vance construiu um retrato muito maior do que o da crise da sociedade americana. Expôs, com sua própria história, que certos sonhos podem dilacerar um indivíduo e esquartejá-lo entre dois mundos.

Na imprensa “Uma leitura essencial.”—David Brooks, The New York Times “Era uma vez um sonho é um livro de memórias belíssimo, mas também uma crítica cultural e social contundente. J.D. Vance nos oferece uma explicação emocionante sobre por que é tão difícil para alguém que cresceu da mesma maneira que ele fazer disso um livro espetacular.” – The Wall Street Journal “Este livro lança um olhar extremamente honesto sobre o que a perda da confiança em si mesmo significa para toda uma família. Você não vai ler nada mais importante este ano.” – The Economist "

domingo, 4 de junho de 2017

Livro Homo Deus: Uma Breve História do Amanhã do autor Yuval Noah Harari.


Neste livro Homo Deus: uma breve história do amanhã, Yuval Noah Harari, autor do estrondoso best-seller Sapiens: uma breve história da humanidade, volta a combinar ciência, história e filosofia, desta vez para entender quem somos e descobrir para onde vamos. Sempre com um olhar no passado e nas nossas origens, Harari investiga o futuro da humanidade em busca de uma resposta tão difícil quanto essencial: depois de séculos de guerras, fome e pobreza, qual será nosso destino na Terra? A partir de uma visão absolutamente original de nossa história, ele combina pesquisas de ponta e os mais recentes avanços científicos à sua conhecida capacidade de observar o passado de uma maneira inteiramente nova. Assim, descobrir os próximos passos da evolução humana será também redescobrir quem fomos e quais caminhos tomamos para chegar até aqui.

Essa edição chega como obra uma que se diz revolucionária, tanto que caiu no gosto de grandes formadores de opinião como: Barak Obama, Mark Zuckerberg, Bill Gates e outros...
Pelo que já li da obra tem muitas questões existenciais e que corremos o risco de perder.

Ler o primeiro capitulo: Livro Homo Deus: Uma Breve História do Amanhã

domingo, 28 de maio de 2017

Viajando pelas Séries #07 - The Flash


É uma série de televisão americana desenvolvida por Greg Berlanti, Andrew Kreisberg e Geoff Johns, transmitida pela emissora The CW desde 7 de outubro de 2014, e estrelada por Grant Gustin. A série é baseada no personagem Barry Allen/Flash da DC Comics, um super-herói fantasiado que combate o crime com o seu poder de se mover em velocidades inacreditáveis. É uma série situada no mesmo universo fictício de Arrow, Legends of Tomorrow e Supergirl. A série foi oficializada no primeiro semestre de 2014, com ordem de 23 episódios para a primeira temporada, que estreou em 7 de outubro de 2014. A segunda temporada foi lançada em 6 de outubro de 2015 e a terceira temporada foi lançada no dia 4 de outubro de 2016.
Em 8 de janeiro de 2017, a emissora The CW renovou a série para uma quarta temporada.
No Brasil, a série é exibida pela Warner Channel (TV a Cabo), e pela Rede Globo (TV Aberta). Em Portugal, a série é exibida somente pela RTP1.
Os produtores estão animados com o protagonista principal, a ideia é fazer um programa longo do tipo Smallville que durou dez anos na telinha.


Sinopse
Após testemunhar o estranho assassinato de sua mãe e a injusta acusação de seu pai pelo crime, Barry Allen fica sob os cuidados do detetive Joe West e sua filha Iris West. Barry se torna brilhante, mas socialmente, um cientista forense desconhecido trabalhando para o Departamento de Polícia de Central City. Sua obsessão por seu trágico passado faz com que ele fique separado das demais pessoas ao seu redor; ele investiga casos frios, ocorrências paranormais, e vazamentos de ponta de avanços científicos que podem dar uma luz no caso do assassinato de sua mãe. Ninguém acredita em sua descrição do crime — que uma bola de raio com o rosto de um homem invadiu sua casa naquela noite e matou sua mãe — e Allen é forçado a procurar por si mesmo pistas que limpem o nome de seu pai. Quatorze anos depois da morte de sua mãe, uma explosão de um avançado Acelerador de Partículas, durante sua apresentação ao público, banha a cidade com uma forma de radiação previamente desconhecida durante uma tempestade. Barry é atingido por um raio da tempestade e banhado nos produtos químicos de seu laboratório. Acordando depois de um coma de nove meses, ele descobre que tem a habilidade de se mover mais rápido do que qualquer ser humano. O Dr. Harrison Wells, criador e responsável pela falha do Acelerador de Partículas, descreve a natureza especial de Barry como um "meta-humano"; Barry, mais tarde, descobre que ele não é o único que mudou com a radiação. Ele promete usar seus poderes para proteger Central City dos riscos criminais dos meta-humanos. E então, associado por alguns amigos próximos que guardam seu segredo, Barry adquire uma nova personalidade conhecida como Flash.

Universo Compartilhado

Arrow

Barry faz sua primeira aparição em Arrow na segunda temporada, no episódio "The Scientist" como um cientista forense de Central City, que chegou a Starling City para investigar um possível caso sobrenatural que ele afirma ter conexões com um caso em Central City. Ele se encontra com Oliver Queen (Stephen Amell) após as Consolidações Queen ser assaltada. Barry, por ser especialista em ciência da computação, faz Felicity Smoak (Emily Bett Rickards) ter uma afinidade imediata, mas Oliver, o Arqueiro, suspeita que Barry estaria mentindo sobre sua verdadeira identidade.
Barry revela que ele está tentando encontrar um ser super-poderoso que matou sua mãe quando ele era criança, levando à prisão injusta de seu pai. Ele é ordenado de volta para Central City, mas em vez disso é levado para o esconderijo de Oliver por Felicity e John Diggle (David Ramsey) depois que Oliver é acidentalmente ferido e envenenado. No episódio seguinte, "Three Ghosts", Barry salva a vida de Oliver, e continua a ajudar Felicity com rastreamento de Cyrus Gold (Graham Shiels), um subordinado de Sebastian Blood (Kevin Alejandro).
Ele volta para Central City, deixando para trás uma máscara de dominó feita por encomenda para Oliver como a melhor forma de esconder sua identidade. Retornando à Central City, ele é pego em uma explosão química em seu laboratório causada por uma combinação de um raio com a explosão do S.T.A.R. Labs - o Acelerador de Partículas - em toda a cidade. Em "Blast Radius", é revelado que Barry foi deixado em coma após o acidente de laboratório. Em "The Man Under The Hood", Caitlin Snow e Cisco Ramon são vistos fazendo a inspeção do S.T.A.R. Labs em Starling City, quando o Exterminador (Manu Bennett) chega para adquirir um Bio-Transfusor. É revelado que Barry tem estado sob os cuidados do S.T.A.R. Labs quando seu estado de saúde piora. Após, Caitlin e Cisco ajudam Felicity a criar um antídoto para a droga Mirakuru.
Em março de 2014, foi revelado que Gustin não iria aparecer em um terceiro episódio de Arrow como originalmente planejado. No entanto, Danielle Panabaker e Carlos Valdes aparecem em Arrow no episódio "The Man Under The Hood" em seus papéis como Caitlin Snow e Cisco Ramon, respectivamente. O produtor executivo de Arrow, Marc Guggenheim afirmou: "Isso foi algo que realmente aconteceu, porque, obviamente, Barry está em coma no final de "Three Ghosts". Que praticamente tornou impossível para Barry para aparecer no terceiro episódio, como originalmente planejado... a ideia de trazer Caitlin Snow e Cisco Ramon realmente apelou para nós porque nos permitiu honrar a nossa intenção original de fazer algo relacionado com o Flash em torno episódio 19 ou 20 da segunda temporada sem ter em conta  Barry e, basicamente, pagando Grant Gustin um monte de dinheiro para se sentar com os olhos fechados apenas inconsciente todo o episódio. Ela nos permite concretizar ainda mais o universo Flash em Arrow.

Em julho de 2014, Kreisberg afirmou que um evento crossover iria ocorrer no oitavo episódio da primeira temporada The Flash e da terceira de Arrow, respectivamente. Mais cedo, em janeiro de 2015, o presidente da CW, Mark Pedowitz anunciou que pretende fazer crossovers de Arrow/Flash todos os anos, a cada temporada.  Amell aparece como Oliver Queen / Arqueiro no episódio piloto. Kreisberg anunciou que Rickards iria aparecer no quarto episódio como Felicity. e mais tarde no mesmo mês, foi anunciado que o antigo vilão de Arrow, William Tockman, O Rei Relógio (Robert Knepper) faria uma aparição no sétimo episódio. Membros da Gangue Royal Flush (algumas vezes traduzida como Gangue de Espadas), que previamente apareceram em Arrow, fariam uma pequena aparição no décimo primeiro episódio. Rickards e Brandon Routh como Ray Palmer fariam uma aparição no décimo oitavo episódio, nomeado "All Star Team Up". Katie Cassidy e Paul Blackthorne, como Laurel Lance / Canário Negro e Detetive Quentin Lance, respectivamente, apareceram no episódio seguinte, "Who Is Harrison Wells?", enquanto Amell e Doug Jones como Jake Simmons/Deathbolt apareceram no vigésimo segundo episódio, "Rogue Air".

Legends of Tomorrow
Em Fevereiro de 2015, foi noticiado que uma série derivada de  Arrow e  The Flash, que é descrita como uma série sobre uma equipe de super-heróis, estava sendo discutida pela CW para uma possível realização na metade de 2015-16. Os produtores Greg Berlanti e Andrew Kreisberg (de ambas as séries: The Flash e Arrow) ao lado de Marc Guggenheim e Sarah Schechter vão produzir a série. A futura série será protagonizada por personagens de ambas The Flash e Arrow, como Canário Branco (Caity Lotz), Capitão Frio (Wentworth Miller), Dr. Martin Stein (Victor Garber)/Metade do herói Nuclear, Onda Térmica (Dominic Purcell) e Átomo/Ray Palmer (Brandon Routh). O produtor Berlanti disse que tem uma razão especial para a outra metade do herói Nuclear, Ronnie Raymond (Robbie Amell) não está confirmado no elenco da série.

Também foram confirmados na série, três personagens misteriosos da DC Comics que nunca tinham aparecido em Live-Action. Um viajante do tempo misterioso que esconde vários segredos (confirmado como sendo o personagem Rip Hunter, será interpretado pelo ator Arthur Darvill), uma mulher feroz e determinada, que quando entra em ação se torna uma verdadeira guerreira (confirmada como sendo a personagem Kendra Saunders, que é uma das identidades da Mulher-Gavião, que será interpretada pela atriz Ciara Renée) e um jovem Afro-Americano das ruas, que ganha super-poderes.

Supergirl
Em novembro de 2014, Berlanti manifestou o interesse na existência de Supergirl no Universo Compartilhado da DC Comics na TV, o mesmo universo de suas outras series Arrow e The Flash. Em janeiro de 2015, o presidente da The CW, Mark Pedowitz, revelou que ele também estava aberto a um crossover entre as séries e as redes (The CW e CBS). No entanto, a diretora da emissora CBS, Nina Tassler, afirmou que "esses dois shows são de canais diferentes [...] então eu acho melhor mantermos Supergirl somente conosco por um tempo".
Em 3 de fevereiro de 2016, foi anunciado que Grant Gustin, Barry Allen / Flash em The Flash, apareceria no décimo oitavo episódio da primeira temporada de Supergirl, intitulado "Worlds Finest". "Estamos muito animados em anunciar algo que nós sonhamos desde que começamos a fazer Supergirl [...] Queremos agradecer a Grant Gustin por ter arrumado um tempo em sua imensa carga de trabalho para vir nos visitar e a todo mundo na CBS, CW, Warner Bros e DC", disseram Greg Berlanti e Andrew Kreisberg, sobre a confirmação do crossover. Antes da exibição do episódio, Ross A. Lincoln do site do Deadline observou que "a razão no universo" para o crossover, seria devido à capacidade de Barry viajar para várias dimensões, o que implica na existência da Supergirl em um multiverso. O que foi confirmado no episódio "Welcome to Earth-2" de The Flash, mostrando uma imagem de Melissa Benoist como Supergirl durante uma sequência em que personagens viajam através desse multiverso.

Comentário

O primeiro antagonista é Clyde Mardon, que nas HQs é conhecido como Mago do Tempo e faz parte da Galeria de Vilões, que com certeza será apresentado em algum momento. Como o nome indica, ele tem a habilidade de controlar o tempo.
Tematicamente, muitos trocadilhos são feitos usando velocidade e corrida. Barry vive atrasado para o trabalho e vários personagens o mandam correr em diferentes momentos, numa alusão ao poder que mais tarde desenvolverá. Inclusive, o fato de ele ficar nove meses em coma, para depois acordar como um “novo homem”, nos remete no período de gestão do ser humano para gerar uma nova vida.
Os episódios estão cheios de referências para os fãs, alguns deles bem interessantes e que podem indicar o futuro do seriado.
Para começar, o pai de Barry Allen é interpretado por John Wesley Shipp, o ator que vestiu a roupa vermelha do herói no seriado da década de 1990. Uma boa sacada, que além de tudo provoca simpatia pelo projeto.
Durante a história, vemos menções ao vilão Gorilla Grodd; à Ferris Aeronáutica, empresa na qual trabalha Hal Jordan, o Lanterna Verde, e que é comandada pelo seu interesse romântico, Carol Farris; o Canal 52, usado nos quadrinhos como uma emissora fictícia de notícias para informar o que acontece no Universo DC; Eddie Thawne, cujo sobrenome é o mesmo do maior inimigo do herói, o Flash Reverso; os cientistas e amigos do protagonista, Cisco Ramon e Caitlin Snow, que nas HQs são, respectivamente, o herói Vibro e a vilã Nevasca; e o Esmaga Átomos, uma homenagem ao membro da Sociedade da Justiça criado na década de 1980.
Por último, mas não menos importante, uma referência claríssima à famosa saga Crise nas Infinitas Terras, na qual Barry Allen tem papel fundamental nas histórias em quadrinhos. Essa referência surge numa reprodução da capa de um jornal do ano 2024 (dez anos no futuro) e é revelada pelo enigmático personagem Harrison Wells.


Também poderá gostar de: Viajando pelas Séries #06 - Mr. Robot.

domingo, 30 de abril de 2017

Livro Seis Anos Depois - Harlan Coben.

Jake Fisher e Natalie Avery se conheceram no verão. Eles estavam em retiros diferentes, porém próximos um do outro. O dele era para escritores; o dela, para artistas. Eles se apaixonaram e, juntos, viveram os melhores meses de suas vidas. E foi por isso que Jake não entendeu quando Natalie decidiu romper com ele e se casar com Todd, um ex-namorado. No dia do casamento, ela pediu a Jake que os deixasse em paz e nunca mais voltasse a procurá-la. Jake tentou esconder seu coração partido dedicando-se integralmente à carreira de professor universitário e assim manteve sua promessa... durante seis anos. Ao ver o obituário de Todd, Jake não resiste e resolve se reaproximar de Natalie. No enterro, em vez de sua amada, encontra uma viúva diferente e logo descobre que o casamento de Natalie e Todd não passou de uma farsa. Agora ele está decidido a ir atrás dela, esteja onde estiver, mas não imagina os perigos que envolvem procurar uma pessoa que não quer ser encontrada.

Opinião:
História incrívelmente surprendente! É impossível para de ler o enredo é muito intrigante, tem todo um suspense meio paranóico por parte do personagem. Nunca tinha lido nenhum livro desse autor e foi uma experiência bastante interessante. Não é a toa que Harlan Coben é conhecido como "O Mestre das Noites em Claro".

domingo, 23 de abril de 2017

Evanescence no Rio de Janeiro 2017.


Repertório incrível, foi baseado no cd fallen e outros sucessos da banda com performances impecáveis. O show teve uma duração de 1 h e 47 minutos. Confira alguns dos principais momentos que gravei. (Coloque para assistir em hd para melhor resultado).


sábado, 15 de abril de 2017

Trailer de Star Wars: Os Últimos Jedi.




O filme tem data de lançamento para 14/12/2017, e promete dar continuidade ao Star War: O Despertar da Força.

sábado, 1 de abril de 2017

Indicações de Leitura.

Sempre ouvimos teorias sobre conspirações guiando o mundo, comandadas pelo establishment político, ditadas por sociedades secretas, confrarias, religiões e organizações à sombra do Estado. No entanto, nunca eram apresentadas provas, documentos que atestassem a real existências das tramas. Até agora.
Este livro mostra que, além de existirem, não se trata de algo secreto nem discreto, mas de uma guerra aberta, declarada e constante, que nos distrai com sua tática de colocar socialistas contra liberais, esquerda contra direita, capitalismo vs comunismo. Fomos divididos em torcidas de uma falsa disputa, e os que realmente vencem nem
precisam entrar em campo, sempre estiveram juntos em um terceiro lado, que não estava disputando nada, apenas nos ocupando enquanto mantinham o poder.
São os grandes banqueiros e elites globais que dirigem o mundo.
Não à toa eles se vendem como socialistas, benevolentes e altruístas, há método nisso tudo: decidem as opções que você tem para votar, em que causas acredita, quais alimentos são saudáveis e o que deve consumir em todos os aspectos: bens móveis, imóveis e culturais.
Famílias como Rockefeller, Morgans, Rothschilds e grupos como Bildeberg, Frankfurt e outros super-ricos são os personagens daqui, sempre ligados a figuras como Lênin, Trótski, Mao Tsé-Tung, Hitler, Karl Marx e tantos outros. Com as revelações apresentadas, pode-se decidir, com mais consciência, de quais causas, movimentos e ideais realmente vale a pena participar.

'Se hoje em dia há alguém na Grã-Bretanha que pode ser considerado O Pensador, é A.C. Grayling.' The Times. Há um jeito certo de se viver? Ser feliz nos torna pessoas melhores? Ou ser uma pessoa melhor nos torna felizes? Moral e ético quer dizer a mesma coisa? A beleza só existe mesmo aos olhos de quem vê? O riso é o melhor remédio? Os elogios são uma recompensa maior do que os prêmios? A internet pode ser transformada em uma fonte confiável de educação e pesquisa? Existem coisas que já sabemos sem perceber? Para que deve realmente servir a educação? O desemprego é uma maldição ou uma oportunidade? É aceitável fazer coisas ruins a pessoas más? Quando uma mudança é boa e quando é ruim? Você só pode expressar uma preocupação ética sobre uma questão se tiver um comportamento irrepreensível em relação a ela? 'A.C. Grayling é um filósofo que acredita naquilo que prega e cria valor para a vida de uma forma completamente descomplicada.' The Guardian. A partir de uma série de perguntas provocativas, A.C. Grayling apresenta ao público em geral conceitos de filosofia e sugestões de como refletir sobre questões que surgem ao longo da vida. Com argumentos simples e lógicos, o autor nos convida a repensar nosso cotidiano, em vez de aceitar passivamente o que 'se diz por aí', e assim adquirirmos controle sobre quem somos e termos opiniões próprias. A arte de questionar é uma compilação dos artigos publicados por Grayling em suas colunas no jornal inglês Times e na revista Prospect. Os assuntos abordados vão de democracia a ciência, de drogas a religião. O resultado: um desafio à inteligência e uma inspiração para a humanidade! Se você permitir, ele abrirá seus olhos para uma realidade que você não esperava! 'Diferente de outros filósofos acadêmicos, A.C. Grayling se importa demais com a filosofia para mantê-la na sala de aula. De fato, ao aplicar o hábito filosófico de pensar aos problemas da vida cotidiana, ele abre horizontes significativos.' Booklist

Também poderá gostar de: Indicações de Leituras Curiosas.