sábado, 29 de dezembro de 2012

Comunicado ao Leitores de A Pensadora.


Olá, leitores! Gente, estou escrevendo o resumo do sexto livro da série Diários do vampiro: Anoitecer por L. J. Smith. São mais de 400 páginas para reler. Por isso sejam pacientes se ocorrer uma demora.

Que Força esteja com Vocês.

Att: A Pensadora.


quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

Livro: O Substituto - Brenna Yovanoff.

A vida de Jack Brenin muda no momento em que ele encontra um objeto encantado no chão. Sem querer, acaba entrando numa aventura extraordinária por um mundo que ele pensava existir somente nos sonhos. Esse é apenas o início do vencedor do Brit Writers Awards 2010, "A Noz de Ouro", primeiro volume da aclamada série de magia de Catherine Cooper. Nora, uma druidesa, e Elan, uma ninfa, são as novas vizinhas do jovem Jack. Após ficarem amigos, elas lhe contam tudo sobre a profecia do Eleito, que diz que o menino que for capaz de ver a noz de ouro poderá salvar hamadríade, a árvore de vida, que corre perigo. Na verdade, as florestas do mundo estão morrendo. Mas, se ele não é corajoso nem forte, como poderia ser o Eleito mencionado em uma antiga profecia? Catherine criou uma história para todas as idades que fará com que os mais velhos e mais experientes sejam transportados para a época de uma juventude já esquecida. A trama é bem-elaborada e rapidamente os leitores perderão as noções de tempo e espaço. Alguns dos ingredientes que tornam a obra tão especial são o senso de magia e o charme intrínseco à narrativa.

Clique aqui para ler um Trecho.

sábado, 22 de dezembro de 2012

Livro: Inferno - O Mundo Em Guerra 1939-1945 de Max Hastings.


Este é um estudo do maior e mais terrível acontecimento da história, que teve impacto sobre centenas de milhões de pessoas em todo o mundo, desde soldados, marinheiros e pilotos até donas de casa inglesas, camponeses indianos, assassinos das SS e moradores de uma Leningrado sitiada. Resultado de 35 anos de pesquisas sobre a Segunda Guerra Mundial, Inferno descreve o curso dos acontecimentos durante o conflito, mas se concentra com sensibilidade em torno da experiência humana, que varia imensamente de campanha para campanha, de continente para continente.
Em um único volume, Max Hastings traça um vasto painel da guerra em todas as linhas de frente, com seus momentos decisivos, a partir da agonia da Polônia durante a invasão nazista em setembro de 1939 até os horrores das campanhas na Itália e no Pacífico, os combates no deserto e também a agonia do povo indiano em 1943, quando um milhão de pessoas morreram devido à negligência do governo britânico. Algumas das análises apresentadas nesta obra são surpreendentes. O autor afirma, por exemplo, que, enquanto o exército de Hitler lutava com eficácia arrasadora, o esforço de guerra alemão foi conduzido com assombrosa incompetência. Também sugere que a contribuição industrial dos Estados Unidos foi muito mais significativa para a vitória dos Aliados do que a participação de seu exército.
O testemunho de pessoas comuns, documentado em cartas, diários e memórias, ajuda Hastings a ir além da mera narrativa de uma sequência de eventos e a revelar ao leitor do século XXI como foi viver, lutar e morrer em um mundo em guerra.

sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

O Restaurante no Fim do Universo - O Guia do Mochileiro das Galáxias - Vol 2.

O que você pretende fazer quando chegar ao Restaurante do Fim do Universo? Devorar o suculento bife de um boi que se oferece como jantar ou apenas se embriagar com a poderosa Dinamite Pangaláctica, assistindo de camarote ao momento em que tudo se acaba numa explosão fatal? A continuação das incríveis aventuras de Arthur Dent e seus quatro amigos através da galáxia começa a bordo da nave Coração de Ouro, rumo ao restaurante mais próximo. Mal sabem eles que farão uma viagem no tempo, cujo desfecho será simplesmente incrível. O segundo livro da série de Douglas Adams, que começou com o surpreendente "O Guia do Mochileiro das Galáxias", mostra os cinco amigos vivendo as mais inesperadas confusões numa história cheia de sátira, ironia e bom humor. Com seu estilo inteligente e sagaz, Douglas Adams prende o leitor a cada página numa maravilhosa aventura de ficção científica combinada ao mais fino humor britânico, que conquistou fãs no mundo inteiro. Uma verdadeira viagem, em qualquer um dos mais improváveis sentidos.

quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

Livro: Ausência da Autora Flavia Cristina Simoneli.

O que é um homem sem memória? Um homem que não se reconhece mais em nenhum tempo, nenhum lugar, nenhum rosto?” Daniel é médico neuropsiquiatra e começa a tratar de Ervin de Apolinário, professor aposentado que apresenta uma doença degenerativa. Tudo estaria dentro da rotina do consultório, não fosse a doença de Alzheimer reavivar na memória de Daniel antigas dores, misturadas à paixão obcecada por Natasha, filha do paciente, provocando a desestruturação de seu casamento e a culpa por transpor seus limites éticos. "Ausência" é um romance que coloca ao leitor uma questão perturbadora: o que acontece quando a mente começa a apagar as lembranças que constituem a própria biografia? O desenvolvimento do Alzheimer e o dilema de Daniel são o fio condutor dessa trama permeada por relações complexas e questionamentos existenciais que levam a refletir sobre o dinamismo inesperado da vida.

segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

Homenagem Ada Lovelace, Primeira Programadora. da História.

Ada Lovelace é considerada a primeira programadora da história, pois foi quem escreveu o que hoje se considera o primeiro algoritmo para ser interpretado por uma máquina. A Condessa de Lovelace era matemática e trabalhou com Charles Babbage na máquina analítica, também chamada computador mecânico.
Filha do poeta Lord Byron, embora sem nunca ter tido contato com ele, Ada traduziu em 1842 um artigo do italiano Luigi Menabrea sobre o funcionamento da máquina analítica, mas acrescentou notas à tradução que eram mais longas do que o texto em si. A última seção das anotações da condessa descreve o que é considerado o primeiro programa de computador da história: um algoritmo para calcular números de Bernoulli.
O algoritmo teria funcionado se a máquina de Babbage tivesse realmente sido construída, mas o projeto só foi realmente concluído em 2002, pelo Museu da História do Computador, em Londres.
Segundo historiadores, a maior contribuição de Ada Lovelace à programação foi vislumbrar que o computador mecânico poderia fazer outras operações além de simplesmente fazer contas com números.

Livro: Explorando o Universo do Hobbit de Corey Olsen.

Segredos e curiosidades de um dos livros mais lidos do século XX. Explorando o universo do Hobbit é um livro divertido e visionário, que apresenta uma interpretação detalhada de O Hobbit, um dos maiores clássicos da literatura fantástica. Por meio de uma jornada capítulo a capítulo através do clássico de Tolkien, Corey Olsen realiza uma análise profunda, revelando detalhes que muitas vezes não são percebidos pelos leitores e expectadores, que tornam a leitura do original mais rica, curiosa e ainda mais relevante. Enfim, este não é um simples guia de leitura, mas uma obra para a compreensão dos principais aspectos de O Hobbit, a filosofia na construção de cada etapa da história, capaz de transforma a leitura comum em uma experiência única. Um trabalho primoroso, do maior especialista na literatura de Tolkien! Diferenciais/Comentários Filme O Hobbit será lançado em dezembro no Brasil.É a obra de referência sobre O Hobbit. Elogiada no Publishers Weekly. O autor se especializou em Tolkien e tem-se dedicado a estudar a obra do autor nos últimos 15 anos.

Clique neste Link para ler um trecho

quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

Livro: A Sombra da Serpente - As crônicas dos Kane, de Rick Riordan.

Sadie e Carter são importantes descendentes da Casa da Vida, uma sociedade secreta de magia estabelecida no Egito ainda no tempo dos faraós. Os irmãos sabem que sua herança ancestral lhes reserva um importante papel: seus poderes são fundamentais para a restauração do Maat, a ordem do universo. Mas, uma vez instalado, o Caos é imprevisível, incalculável e incontrolável, e agora que Apófis está livre os Kane têm somente três dias para evitar que a serpente destrua o planeta. Como se isso não bastasse, a sorte deles parece só piorar.
Os magos estão divididos. Alguns deuses egípcios estão enfraquecendo e, um a um, começam a desaparecer. Walt, um dos mais talentosos combatentes da Casa do Brooklyn, foi amaldiçoado, e sua energia vital está se esvaindo. Zia agora é responsável por Rá, o deus sol, que está completamente senil e não será de grande ajuda. Sadie e Carter, ao lado de alguns jovens magos e uns poucos aprendizes, são os únicos dispostos a enfrentar a serpente e salvar o mundo.

Clique neste link para ler um trecho.

domingo, 25 de novembro de 2012

O Poder do Hábito, porque fazemos o que fazemos - Charles Duhigg.

Durante os últimos dois anos, uma jovem transformou quase todos os aspectos de sua vida. Parou de fumar, correu uma maratona e foi promovida. Em um laboratório, neurologistas descobriram que os padrões dentro do cérebro dela – ou seja, seus hábitos – foram modificados de maneira fundamental para que todas essas mudanças ocorressem. Há duas décadas pesquisando ao lado de psicólogos, sociólogos e publicitários, cientistas do cérebro começaram finalmente a entender como os hábitos funcionam – e, mais importante, como podem ser transformados. Embora isoladamente pareçam ter pouca importância, com o tempo, têm um enorme impacto na saúde, na produtividade, na estabilidade financeira e na felicidade.
Com base na leitura de centenas de artigos acadêmicos, entrevistas com mais de trezentos cientistas e executivos, além de pesquisas realizadas em dezenas de empresas, o repórter investigativo do New York Times Charles Duhigg elabora, em O poder do hábito, um argumento animador: a chave para se exercitar regularmente, perder peso, educar bem os filhos, se tornar uma pessoa mais produtiva, criar empresas revolucionárias e ter sucesso é entender como os hábitos funcionam. Transformá-los pode gerar bilhões e significar a diferença entre fracasso e sucesso, vida e morte.
Duhigg conclui por que algumas pessoas e empresas têm tanta dificuldade em mudar, enquanto outras o fazem da noite para o dia. Descobre, por exemplo, como hábitos corretos foram cruciais para o sucesso do nadador Michael Phelps, do diretor executivo da Starbucks, Howard Schultz, e do herói dos direitos civis, Martin Luther King, Jr.: “Eles tiveram êxito transformando hábitos. Todos começam com um padrão psicológico. Primeiro, há uma sugestão, ou gatilho, que diz ao seu cérebro para entrar em modo automático e desdobrar um comportamento. Depois, há a rotina, que é o comportamento em si. Para alterar um hábito, é preciso modificar os padrões que moldam cada aspecto de nossas vidas. Entendendo isso, você ganha a liberdade – e a responsabilidade – para começar a trabalhar e refazê-los”, diz o autor.
Um dos exemplos citados pelo autor diz respeito a ele próprio. Duhigg explica como conseguiu parar de consumir cookies no meio do dia de trabalho ao compreender o hábito que o levava diariamente a uma cafeteria para comê-los, mesmo sem fome – as visitas diárias ao lugar ocorriam por necessidade de socialização. “Refiz o hábito e, agora, pelas 15h30, levanto da minha mesa e procuro alguém para conversar por 10 minutos. E não como um cookie há seis meses”, conta ele. A prática é um dos segredos para a mudança: “Tarefas que parecem incrivelmente complexas no início, como aprender a tocar violão e falar uma língua estrangeira, podem se tornar muito mais fáceis depois de executadas inúmeras vezes. Maus hábitos, como fumar e beber demais, são superados quando aprendemos novas rotinas e a praticamos incessantemente.”
Há ainda, segundo Duhigg, os chamados “hábitos mestres”, capazes de desencadear uma série de reações no modo da pessoa organizar sua própria vida. Um bom exemplo de um hábito mestre é o exercício físico. “Quando as pessoas começam a se exercitar regularmente, começam a mudar outros comportamentos que não estão relacionados à atividade física. Passam a comer melhor e a levantar da cama mais cedo. Fumam menos e se tornam mais pacientes. (...) Não está completamente claro porque isso ocorre, mas está provado que exercício é um hábito mestre, que propaga mudanças em todos os aspectos da vida.

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Livro: Beije-me Antes de Morrer de Allison Brennan.

Parecia bem típico: uma adolescente fugiu de casa para curtir uma festa, como fazia todos os fins de semana. O problema é que, dessa vez, ela não voltou.
Enquanto isso, um serial killer apelidado de Estrangulador de Cinderelas, frequentador assíduo das festas mais undergrounds de Nova York, está se aproveitando da vulnerabilidade de mulheres drogadas. Já são três vítimas friamente assassinadas.
A agente do FBI Suzanne Madeaux está na caça desse assassino, e o investigador particular Sean Rogan está tentando encontrar a garota desaparecida. Para isso, ele conta com a ajuda de sua namorada, Lucy Kincaid. Atormentada por lembranças cruéis, Lucy está determinada a impedir que mais inocentes se deparem com o destino do qual ela mesma escapou por pouco. Sondando a psique distorcida de um assassino desumano, ela precisa confrontar os próprios medos – mesmo que isso ponha em risco o futuro emprego no FBI e a felicidade ao lado de Sean.

sábado, 17 de novembro de 2012

O Sucesso da Saga Crepúsculo: Amanhecer - Parte 2.

O ultimo filme da saga Crepúsculo, já estreou batendo recordes. Amanhecer – Parte 2 levou, apenas no primeiro dia em cartaz no Brasil, mais 1 milhão de espectadores aos cinemas.
Amanhecer – Parte 2, estreou em 1205 salas, 101 a mais que a Parte 1, já havia vendido 600 mil ingressos antecipadamente.
Até agora, o filme mais visto da saga Crepúsculo foi Amanhecer – Parte 1, que levou 7,1 milhões de brasileiros aos cimenas. Era também Parte 1, que detinha o recorde de maior de bilheteria em 24 horas, com 500 mil bilhetes vendidos. Em 2011, a saga arrecadou 30,3 milhões de dólares.
"Lua Nova", que teve o melhor fim de semana de abertura da série, 142,8 milhões de dólares, arrecadou 26,3 milhões no primeiro dia.As previsões são de que "A Saga Crepúsculo: Amanhecer - Parte 2" alcance 150 milhões de dólares até domingo.

EUA
O último episódio da Saga Crepúsculo, faturou 30,4 milhões dólares em ingressos para sessões da madruga nos Estados Unidos e Canadá, disse o estúdio Summit Entertainment na sexta-feira.
A bilheteria de "A Saga Crepúsculo: Amanhecer - Parte 2" na América do Norte superou os resultados dos quatro filmes anteriores da série, e as pré-estreias realizadas no fim da noite de quinta-feira foram decisivas para esse resultado.
Paul Dergarabedian, presidente da divisão de bilheterias da Hollywood.com, disse que o interesse despertado por ser o último filme da série poderá fazer com que Amanhecer – Parte 2, encerre o fim de semana com um faturamento de 145 á 150 milhões de dólares na América do norte.

Minha opnião: deram uma mexidas na história que ficou incrível, tiraram os excessos de detalhes como nos anteriores, mas sem perde o fio da meada.
 

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

Sessão The Vampire Diaries 2.







Bram Stoker, o Criador de Drácula,165 anos de história.

Bram Stoker

Abraham "Bram" Stoker (Dublin, Irlanda, 8 de Novembro de 1847 — Londres, 20 de Abril de 1912) foi um escritor irlandês bastante conhecido por ter sido o autor de Drácula, a principal obra no desenvolvimento do mito literário moderno do vampiro. Sempre estudando em Dublin, escreveu seu primeiro ensaio aos 16 anos e, em 1875 recebeu seu mestrado. Conseguiu se tornar crítico de teatro, sem remuneração, no jornal Dublin Eventing Mail. Em 1878 Stoker casou-se com Florence Balcombe, cujo ex-pretendente foi Oscar Wilde. Com a mulher, mudou-se para Londres, onde passou a trabalhar na companhia teatral Irving Lyceum, assumindo várias funções e permanecendo nela por 27 anos. Em 31 de Dezembro de 1879 nasceu seu único filho, Irving Noel Thornley Stoker. Trabalhando para o ator Henry Irving, Stoker viajou por vários países, apesar de nunca ter visitado a Europa Oriental, cenário de seu famosos romances. Enquanto esteve no Lyceum Theatre de Londres, começou a escrever romances e fez parte da equipe literária do jornal londrino Daily Telegraph, para o qual escreveu ficção e outros gêneros. Antes de escrever Dracula, Stoker passou vários anos pesquisando folclore europeu e as histórias mitológicas dos vampiros. Depois de sofrer uma série de derrames cerebrais, Stoker faleceu em Londres em 1912. Alguns biógrafos atribuem a um processo desencadeado por uma sífilis terciária como causa de sua morte. Foi cremado e suas cinzas estão numa urna no Crematório de Golders Green, em Londres, Inglaterra.


Cronologia

1847 - Em 8 de novembro, nasce Abraham Stoker, em Dublin, Irlanda.
1863 - Ingressa na Trinity College, em Dublin.
1866 - É contratado para trabalhar no castelo de Dublin. Escreve o manual Deveres dos Amanuenses e Escrivães nas Audiências para Julgamento de Pequenas Causas e Delitos na Irlanda.
1870 - Forma-se em matemática pura com louvor.
1876 - Conhece o ator Henry Irving e torna-se seu amigo.
1878 - Casa-se com Florence Balcombe. Aceita a oferta de Irving para administrar o Royal Lyceum Theatre de Londres.
1879 - Nasce Noel, o único filho do casal. Publica seu primeiro livro, The Duties of Clerks of Petty Sessions in Ireland.
1882 - Publica Under the Sunset, uma coleção de contos.
1890 - Começa a escrever um romance de vampirismo ainda sem título.
1891 - Publica o romance O Castelo da Serpente.
1894 - Publica The Watter´s Mou e Croken Sands.
1895 - Publica The Shoulder of Shasta.
1897 - Em 26 de maio publica Drácula.
1898 - Publica Miss Betty.
1903 - Publica A jóia das sete estrelas.
1904 - Publica The Man.
1905 - Morre o amigo Henry Irving. Stoker sofre um derrame cerebral.
1906 - Publica Personal Reminiscences of Henry Irving.
1909 - Publica O Caixão da Mulher-Vampiro.
1911 - Publica seu último romance, O Monstro Branco - no Brasil, A toca do Verme branco.
1912 - Morre em Londres, em 20 de abril.
1922 - Estréia Nosferatu, Eine Symphonie des Grauens, primeiro filme baseado em seu romance Drácula.

terça-feira, 6 de novembro de 2012

Livro: Assassin's Creed: Renegado - Oliver Bowden.

Assassins’s Creed: Renegado: é mais recente novelização do game homônimo escrita por Oliver Bowden e levará a luta entre a Irmandade dos Assassinos e a Ordem dos Cavaleiros Templários até a Guerra de Independência dos Estados Unidos. Na Londres do século XVIII, Haytham Kenway é ensinado a lutar assim que se torna capaz de empunhar uma espada. Quando a propriedade da família é atacada — o pai assassinado e a irmã raptada —, Haytham defende seu lar da única maneira que pode: com sangue. Sem família, o menino é treinado por um misterioso tutor que o transforma num assassino mortal. Consumido pela sede de vingança, Haytham começa sua jornada em busca de retaliação.

* Assassin’s Creed III, o jogo, chega às lojas no dia 30 de outubro. * Os games da franquia já venderam mais de 38 milhões de cópias * O game vai virar filme, produzido e estrelado por Michael Fassbender, de X-Men First Class e Prometheus.

quinta-feira, 1 de novembro de 2012

Kdabra 3 El Apocalipise - Sinopse.

Sinopse: Kdabra 3 Luca foge de tudo e todos para impedir a chegada do Apocalipse. Junto com sua amiga nova Siena se escondem na estranha cidade de El Silencio dispostos a levar a vida de um simples mortal. Mas um grupo de criminosos ataca selvagemente a população empurrando novamente Luca para a entregar-se.

O que Luca desconhece, é que sua promessa de nunca mais usar sua magia e assim salvar o mundo será quebrada, quando aquele que quem ele sempre cuidara, sua mais pura e amado, está prestes a desintegrar-se para sempre.


capitulo 1.


Kdabra 3 - Capitulo 1 por sramaia

quinta-feira, 25 de outubro de 2012

Livro: O Arconte - Autora Catherine Fisher.

Nesta sequência eletrizante de O Oráculo, "o Arconte" deve enfrentar uma jornada de traição e aventura, atravessando o deserto impiedoso em busca de salvação para seu povo.
Em sua viagem, "o Arconte" será o guia até o Poço das Canções, na tentativa de encontrar a paz com a Rainha Chuva e de salvar o mundo da terrível seca que o assola. O Poço está escondido nas montanhas, do outro lado do deserto.
Contudo, ele não é o único com os olhos voltados às montanhas: Argelin, general tirânico e com sede de poder, segue os peregrinos de perto, imaginando as riquezas que o aguardam ao fim da viagem.
Acompanhado apenas por Oblek, Seth e por dois ladrões de tumbas, conhecidos como o Chacal e a Raposa, o Arconte deve então cruzar o Deserto Desolador, com suas gigantescas figuras de animais, repletas de poder. Deve, ainda, chegar a seu destino sem a ajuda de Mirany, Portadora do Deus e grande amiga do Arconte, obrigada a permanecer para lutar contra uma ameaça bem mais próxima de seu lar...

terça-feira, 16 de outubro de 2012

Livro: Queda dos Gigantes e Inverno do Mundo - Triologia O Século de Ken Follet.

Cinco famílias, cinco países e cinco destinos marcados por um período dramático da história. Queda de gigantes, o primeiro volume da trilogia “O Século”, do consagrado Ken Follett, começa no despertar do século XX, quando ventos de mudança ameaçam o frágil equilíbrio de forças existente – as potências da Europa estão prestes a entrar em guerra, os trabalhadores não aguentam mais ser explorados pela aristocracia e as mulheres clamam por seus direitos. De maneira brilhante, Follett constrói sua trama entrelaçando as vidas de personagens fictícios e reais, como o rei Jorge V, o Kaiser Guilherme, o presidente Woodrow Wilson, o parlamentar Winston Churchill e os revolucionários Lênin e Trótski. O resultado é uma envolvente lição de história, contada da perspectiva das pessoas comuns, que lutaram nas trincheiras da Primeira Guerra Mundial, ajudaram a fazer a Revolução Russa e tornaram real o sonho do sufrágio feminino. Ao descrever a saga de famílias de diferentes origens – uma inglesa, uma galesa, uma russa, uma americana e uma alemã –, o autor apresenta os fatos sob os mais diversos pontos de vista. Na Grã-Bretanha, o destino dos Williams, uma família de mineradores de Gales do Sul, acaba irremediavelmente ligado por amor e ódio ao dos aristocráticos Fitzherberts, proprietários da mina de carvão onde Billy Williams vai trabalhar aos 13 anos e donos da bela mansão em que sua irmã, Ethel, é governanta. Na Rússia, dois irmãos órfãos, Grigori e Lev Peshkov, seguem rumos opostos em busca de um futuro melhor. Um deles vai atrás do sonho americano e o outro se junta à revolução bolchevique. A guerra interfere na vida de todos. O alemão Walter von Ulrich tem que se separar de seu amor, lady Maud, e ainda lutar contra o irmão dela, o conde Fitz. Nem mesmo o americano Gus Dewar, o assessor do presidente Wilson que sempre trabalhou pela paz, escapa dos horrores da frente de batalha. Enquanto a ação se desloca entre Londres, São Petersburgo, Washington, Paris e Berlim, Queda de gigantes retrata um mundo em rápida transformação, que nunca mais será o mesmo. O século XX está apenas começando.

Depois do sucesso de Queda de gigantes, Ken Follett dá sequência à trilogia histórica “O Século” com um magnífico épico sobre o heroísmo da Segunda Guerra Mundial e o despertar da era nuclear.
Inverno do mundo retoma a história do ponto exato em que termina o primeiro livro. As cinco famílias – americana, alemã, russa, inglesa e galesa – que tiveram seus destinos entrelaçados no alvorecer do século XX embarcam agora no turbilhão social, político e econômico que começa com a ascensão do Terceiro Reich. A nova geração terá de enfrentar o drama da Guerra Civil Espanhola e da Segunda Guerra Mundial, culminando com a explosão das bombas atômicas.
A vida de Carla von Ulrich, filha de pai alemão e mãe inglesa, sofre uma reviravolta com a subida dos nazistas ao poder, o que a leva a cometer um ato de extrema coragem. Woody e Chuck Dewar, dois irmãos americanos cada qual com seu segredo, seguem caminhos distintos que levam a eventos decisivos – um em Washington, o outro nas selvas sangrentas do Pacífico.
Em meio ao horror da Guerra Civil Espanhola, o universitário inglês Lloyd Williams descobre que tanto o comunismo quanto o fascismo têm de ser combatidos com o mesmo fervor. A jovem e ambiciosa americana Daisy Peshkov só se preocupa com status e popularidade até a guerra transformar sua vida mais de uma vez. Enquanto isso, na URSS, seu primo Volodya consegue um cargo na inteligência do Exército Vermelho que irá afetar não apenas o conflito em curso, como também o que está por vir.
Como em toda obra de Ken Follett, o contexto histórico pesquisado com minúcia é costurado de forma brilhante à trama, povoada por personagens que esbanjam nuance e emoção. Com grande paixão e mão de mestre, o autor nos conduz a um mundo que pensávamos conhecer e que a partir de agora não parecerá mais o mesmo.
****
Berlim, 1933. Violentas mudanças sacodem a cidade e prenunciam o período de instabilidade que o mundo está prestes a enfrentar. O segundo volume da trilogia “O Século” começa com a ascensão de Hitler ao poder na Alemanha e a Guerra Civil Espanhola. É o inverno do mundo.
Neste cenário, a nova geração das cinco famílias que fizeram história em Queda de gigantes viverá alegrias e tristezas, amores e tragédias.
Aos 11 anos, Carla von Ulrich luta para entender as tensões que perturbam sua família à medida que o domínio de Hitler se estende sobre a Alemanha. No meio desse turbilhão, a ex-deputada do Parlamento britânico Ethel Leckwith, amiga da mãe de Carla, desembarca em Berlim com o filho Lloyd, um jovem estudante que irá sentir na pele a realidade brutal do nazismo.
Lloyd conhece um grupo de alemães decidido a enfrentar Hitler – mas será que eles estarão dispostos a trair o próprio país? Essas pessoas são vigiadas de perto por Volodya, um jovem russo com um futuro brilhante na Inteligência do Exército Vermelho.
De volta à Inglaterra, Lloyd sente-se irresistivelmente atraído pela esfuziante socialite americana Daisy Peshkov, símbolo de tudo o que sua família de esquerdistas mais despreza. Daisy, por sua vez, está mais interessada no aristocrata Boy Fitzherbert, piloto amador, festeiro contumaz e membro importante da União Britânica de Fascistas.
Em Inverno do mundo, como em outras obras de Ken Follett, a ficção se mistura à realidade, e figuras históricas, como Hitler, Goebbels, Oppenheimer e Stalin, se mesclam aos personagens cuja vida e morte estão nas mãos do autor.
Do incêndio do prédio do Parlamento alemão ao bombardeio a Pearl Harbor, da Espanha a Estalingrado, de Hiroshima a Nagasaki, o embate entre poderio militar e crenças pessoais afetará a vida de todo o mundo. Diante da maior e mais cruel guerra da história da humanidade, só restará a esperança.

Ver Também: Livro: Eternidade Por Um Fio - Terceiro Livro da Trilogia O Século


segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Livro: Guia Politicamente Incorreto da América Latina de Duda Teixeira e Leandro Narlock.

Che Guevara, Fidel Castro e Salvador Allende são os alvos desta vez. Utilizando a mesma fórmula que consagrou o Guia politicamente incorreto da história do Brasil – com mais de 200 mil exemplares vendidos –, Leandro Narloch e Duda Teixeira retomam alguns dos personagens e fatos marcantes da história da América Latina para mostrar que a história não aconteceu exatamente como aprendemos na escola. “Fidel Castro foi capitalista”, “Che Guevara ordenava torturas” ou “Os Incas aprovaram a dominação espanhola” são algumas das afirmações polêmicas que os autores defendem e explicam por meio de outras correntes de pesquisa histórica rejeitadas como oficiais. Com o mesmo propósito do livro anterior, o Guia politicamente incorreto da América Latina é contra regras batidas para se contar a história. E o falso herói latino-americano é o principal alvo deste livro.

sexta-feira, 12 de outubro de 2012

A História do Evanescence.

Evanescence é uma banda americana de rock formada em 1995 na cidade de Little Rock pela vocalista e pianista Amy Lee a formação original ainda contava com o guitarrista Ben Moody. Atualmente o grupo tem cinco integrantes, sendo que Moody já não está mais envolvido.
O Evanescence era popular na região de Little Rock, tocando em bares e casas noturnas. Os primeiros materiais da banda são os EPs:Evanescence (1998) e Sound Asleep (1999), no qual todas as cópias foram vendidas e são extremamente raras em todo o mundo. Porém a banda só ganhou fama e reconhecimento mundial no ano de 2003 com o álbum Fallen, que recebeu sete vezes disco de platina pela RIAA, além de vender mais de 17 milhões de cópias em todo o mundo, ajudando a banda a vencer dois Grammys.
O álbum ao vivo Anywhere but Home (2004) foi gravado em Paris na França permitindo sucesso internacional da banda, principalmente na Europa. Durante 2003 o single "Bring Me to Life" permaneceu por semanas no topo das paradas musicais, tornando-se o maior hit da banda até então a canção ainda entrou para a trilha sonora do filme Daredevil. Em outubro de 2003, o guitarrista Ben Moody anuncia sua saída do Evanescence em meio a turnê Fallen Tour, alegando diferenças criativas com os outros membros da banda. O segundo álbum de estúdio, The Open Door (2006) trouxe de volta a banda após dois anos de hiato. O disco vendeu cerca de 6 milhões de cópias em todo o mundo. Após a turnê The Open Door Tour em 2007, o guitarrista John LeCompt e o bateirista Rocky Gray deixam a banda. Com isso restam apenas Lee e Balsamo, já que Will Boyd também deixara a banda em meados de 2006.
O terceiro disco auto-intitulado da banda Evanescence (2011) debutou em primeiro lugar na Billboard 200 por cerca de 130 mil cópias na primeira semana de vendas. Foram lançados até então três singles: "What You Want", "My Heart Is Broken" "Lost in Paradise" e "The Other Side". Atualmente a banda está em turnê e conta com cinco integrantes: Amy Lee, Terry Balsamo, Tim McCord, Will Hunt e Troy McLawhorn.

2001–2003: Fallen


Amy Lee e Ben Moody em um show em Barcelona em 2003.
Fallen, gravado em Los Angeles, trouxe onze faixas em seu repertório, a maioria composta pelo trio Amy Lee, Ben Moody e David Hodges. Nas gravações deste trabalho, David assumiu o piano e teclado.
A maior parte da produção ficou por conta de Dave Fortmann, mas Ben e Jay Baumgardner também cooperaram em "Bring Me to Life" e "My Immortal", respectivamente. Além dos músicos da banda, Francesco DiCosmo e Josh Freese participaram da gravação. A vendagem deste álbum foi de 16 milhões de discos no mundo inteiro.
Fallen foi o disco que definitivamente lançou a banda para o mundo e que rendeu muitos dólares e reconhecimento. Neste momento, a formação já estava estabilizada, com os amigos John LeCompt (guitarra), Rocky Gray (bateria) e Will Boyd (baixo), e pronta para percorrer o mundo em turnês.
Em apenas seis semanas o álbum vendeu mais de 1 milhão de cópias e conquistou o disco de platina. As canções "Bring Me to Life" e "My Immortal" foram inclusas na trilha sonora do filme "O Demolidor" (Daredevil), fato que contribuiu muito para a popularidade da banda. Ainda, as quatro primeiras faixas de Fallen ganharam uma versão videoclipe: "Going Under", "Bring Me to Life", "My Immortal" e "Everybody's Fool".
Em 24 de outubro de 2003, durante uma turnê européia, Ben Moody anuncia seu desligamento da banda, alegando diferenças criativas. A notícia foi recebida com perplexidade e decepção pelos fãs. Os motivos que levaram Ben a tomar esta atitude não ficaram muito claros. Por um tempo, os integrantes evitavam tocar no assunto. Mas um tempo depois, Amy declarou que a "sintonia" entre eles já não era como antes e, para o bem da banda, um deles tinha que sair. Amy disse também que Ben foi mesquinho ao abandoná-los em plena turnê.
Para seu lugar, o guitarrista do Cold, Terry Balsamo foi convidado para acompanhá-los até o fim das apresentações. Logo depois Terry Balsamo assumiu oficialmente o lugar de Ben, sendo efetivado no início de 2004. Amy Lee diz ter sido por causa da amizade que Terry criou com a banda e pelos elogios dos integrantes em suas apresentações, mais ainda pelo fato de Amy ter conhecido o potencial que Terry tinha para compor. Ben deu continuidade em sua carreira musical produzindo e gravando com outros artistas.
No ano de 2004 a popularidade da Evanescence foi ampliada e a banda mostrou à mídia e aos fãs que a saída de Ben Moody não atrapalhou a carreira. Até fevereiro, somente nos Estados Unidos, Fallen já tinha vendido mais de 4 milhões de cópias. Premiações como os diversos Grammys europeus; além de várias indicações e outros tantos prêmios conquistados na imprensa especializada, fizeram a rotina da banda naquele ano. Porém, boatos em torno do suposto namoro de Amy e Ben, contribuíram, negativamente, para uma maior exposição do grupo na mídia.

2004: Anywhere But Home

A banda continuou com a turnê até 15 de Agosto de 2004, fazendo o último show em Little Rock, cidade natal da banda. Em novembro de 2004, foi lançado pela mesma gravadora o CD e DVDAnywhere But Home. O DVD contém treze faixas do show da banda em Paris, uma hora de bastidores ("Behind The Scenes '), quatro videoclipes ("Going Under", "Bring Me To Life", "Everybody's Fool" e My Immortal)", a faixa inédita "Missing" (que se tornou single para rádios), e uma apresentação de "Bring Me to Life" escondida no menu principal do DVD. Anywhere But Home vendeu mais de 1 milhão de cópias em todo mundo. Depois do lançamento do DVD, a banda entrou em um hiato criativo. Will Boyd, John LeCompt e Rocky Gray estavam envolvidos em projetos paralelos, enquanto Amy Lee e Terry Balsamo começaram a compor para o segundo álbum do Evanescence.

2005–2008: The Open Door

Em dezembro de 2005, Amy processa seu empresário Dennis Rider por assédio sexual, além de usar seu cartão de crédito e dinheiro indevidamente. Além disso, o guitarrista Terry Balsamo sofre um acidente vascular cerebral, apesar da recuperação rápida, isso adiou o lançamento do segundo álbum, que teve apenas data de lançamento e título divulgado no início de 2006. O disco se chamaria The Open Door com data de lançamento para 3 de outubro, porém pouco antes do lançamento em julho de 2006, o baixista Will Boyd decide sair da banda afirmando que precisava passar mais tempo com a família. Ele é substituído às pressas por Tim McCord. Pouco depois, a banda lança o primeiro single do novo álbum, "Call Me When You’re Sober".

Evanescence em show no Le Zénith, Paris em 2004.
O álbum, que até o momento vendeu mais de sete milhões de cópias mundialmente, ficou mais de cem semanas na lista dos álbuns mais vendidos da Billboard, e ganhando um disco de platina nos Estados Unidos, além da classificação de "Álbum do Ano" na Austrália. Em plena semana de estréia, nos Estados Unidos, foram vendidos até  10 de outubro de 2006 cerca de 407.883 mil cópias do disco, o que foi suficiente para o álbum estrear em primeiro lugar na BillBoard e permanecer em primeiro por três semanas. Na sua segunda semana, aproximadamente 725 mil cópias foram vendidas. Em 8 de novembro de 2006, a banda ganhou um disco de platina nos Estados Unidos. De acordo com o United World Chart, The Open Door vendeu 1,758,797 milhões de cópias só nos Estados Unidos até 11 de julho de 2007 e 4,63 milhões mundialmente até 24 de março de 2007.
Em maio de 2007, Amy Lee despede John LeCompt da banda, pois, segundo ela, ele se preocupava com o seu projeto alternativo, a banda Machina. Rocky Gray também sai da banda, sem uma explicação. Expecula-se que ele saiu devido ao seu amigo, John, ter sido despedido. Então os dois retomam o Machina. São arranjados substitutos provisórios para eles, Will Hunt como baterista e Troy McLawhorn como guitarrista.
Em julho, é anunciado o nome do quarto single e clipe do The Open Door, desta vez a faixa escolhida foi a "Good Enough", última faixa do álbum. O clipe oficial, saiu em 10 de setembro de 2007, tem 4:44 ao todo, e tem efeitos especiais. No dia 18 de junho de 2008, Amy Lee se apresentou no evento NMPA onde foi premiada por suas composições, segundo fãs presentes, Amy tocou as canções "Lithium" e uma nova canção escrita por ela, apelidada pelos fãs deWait Forever (nome verdadeiro é Your Love), isso fez com que muitos fãs ficassem entusiasmados com a esperança de um novo álbum.

2009–2012: Evanescence

Em junho de 2009, Amy Lee postou no site oficial da banda que eles estavam trabalhando em um novo material para um álbum proposto para 2010. Ela escreveu ainda que este álbum seria uma evolução do trabalhos anteriores, além de "melhor, mais forte, e mais interessante".
Em agosto do mesmo ano, Tim McCord confirmou pelo MySpace que o Evanescence iria ao Brasil para se apresentar em uma das noites do Maquinária Festival 2009, em novembro. Logo mais, Amy Lee postou no EvThreads, fórum da banda: "Vocês, fãs do Brasil, são uns dos nossos melhores e mais loucos fãs, então a gente simplesmente decidiu ir!" - declarou.
Amy postou em seu Twitter no dia 8 de janeiro de 2010 que as gravações para o terceiro álbum oficial da banda começariam em fevereiro: "Nós estamos oficialmente entrando no estúdio para gravar nosso terceiro álbum no próximo mês. Estou mais que empolgada e pretendo mantê-los atualizados ao longo do tempo!". Ela concluiu no fórum oficial da banda que o álbum seria "mais eletrônico", com influências de Depeche Mode, MGMT, Bat for Lashes, e também da banda brasileira Cansei de Ser Sexy.
No dia 22 de janeiro de 2010, a banda divulgou a canção "Together Again" como incentivo para doações às vítimas do terremoto no Haiti. Esta canção tinha sido originalmente composta para o filme As Crônicas de Nárnia - O Leão, a Feiticeira e o Guarda-roupa, mas não foi aceita por ser considerada muito "sombria". No dia 3 de fevereiro, Amy postou no EvClub que as gravações começariam no dia 22 de fevereiro. O novo álbum seria produzido pelo produtor Steve Lillywhite, ainda segundo Amy Lee.
Em entrevista à revista Rolling Stone, revelou que o álbum seria uma mistura de "agressão sarcástica" que mostraria o novo lado da banda e uma influência eletrônica distinta. "Tem muita coisa que não soa como Evanescence, mas o coração da banda ainda está lá. Esse é um disco muito ritmicamente conduzido. Portanto, há toneladas de baterias de programação fundido com bateria ao vivo; estamos alugando baterias um dia de cada vez, como tambores taiko japonês". E, sobre o álbum, "Eu não estou tentando provar nada dessa vez. Na última vez, eu tinha um monte de peso sobre meus ombros. Desta vez, eu só estou me divertindo com a música.
Em uma entrevista à Spin, Lee revelou mais detalhes sobre o novo álbum, divulgou o título da primeira música que escreveu: "Hi-Lo é um título provisório." Amy disse que estava indo em uma direção electro-pop - em que não existem instrumentos orgânicos. "É tipo Portishead ou Massive Atack, e liricamente é sobre seguir em frente, mas de uma forma muito não conflituosa, sem raiva. É algo como "Hey, sabe tudo que aconteceu? Eu não estou com raiva de você". Explicou também sobre os conceitos e temas das novas músicas: "Não é um álbum orgânico. Nossa idéia é trazer os sons sintéticos e atmosféricos e encontrar uma maneira de borrar a linha entre orgânicos e sintéticos. (...) Eu escrevo sobre o que eu estou passando no momento. Há momentos como "Ei, eu superei isso e estou bem" e outros divertidos como "Ei, não é a coisa mais dramática do mundo." Mas fica realmente profundo em alguns momentos, também. (...) Eu estou dizendo coisas que eu teria medo de dizer antes. Estou mais confiante e mais confortável.
A banda tinha parado as gravações do novo álbum para compor novas músicas, disse Amy. No dia 21 de junho, ela postou no EvThreads  que a banda voltará no estúdio em breve.
Amy alegou no fórum oficial o seguinte: "A banda está se reunindo para começar a pré-produção do novo álbum esta semana!!!
Em comunicado no site oficial da banda, eles anunciaram que entrariam em estúdio para gravar o novo álbum no dia 11 de abril de 2011.
Em entrevista à revista Spin, Amy Lee disse que ela escreveu algumas músicas na harpa, incluindo a balada "Secret Door" e "My Heart is Broken". Outra música, "Oceans", "começa com um sintetizador, baixo e um grande vocal, quando a banda entra em cena", disse Amy. "É grande e viçosa. Nós nos divertimos muito tocando essa". Sobre o tema do álbum, ela disse: "Eu me inspiro na natureza. O oceano tem sido um tema.
Amy falou em seu Twitter que o até então ex-guitarrista de palco, Troy Mclawhorn, estava de volta na banda e também anunciou a data de lançamento do álbum: 4 de outubro de 2011.
Em 22 de junho de 2011, em uma entrevista da banda à revista Kerrang!, foi divulgado que o nome do terceiro álbum seria Evanescence, o próprio nome da banda.
Em 03 de julho de 2011, Amy postou uma foto dela com o pessoal dos instrumentos de cordas. Na foto, está presente o produtor Nick Raskulinecz e o David Campbell.
Em 11 de julho, Amy Lee disse que o primeiro single do álbum se chamaria "What You Want". No mesmo dia, vazou a faixa "Halfway Down the Stairs", música que Amy gravou para o álbum tributo aos Muppets. Nela, pode-se perceber as influências eletrônicas que a banda recebeu durante as sessões de gravação do álbum.
O álbum foi lançado também em uma versão deluxe, com as 16 músicas gravadas. No álbum 'normal' serão apenas 12 músicas.
Em 08 de agosto, a banda lançou o single "What You Want" na MTV Americana e em 09 de agosto, o single começou a ser vendido no iTunes.
Em outras mídias
No início de 2005, a canção "Breathe No More" é inclusa na trilha sonora do filme Elektra. Este foi um ano difícil para o Evanescence. Inicialmente, o americano Trevin Skeens processa a gravadora, afirmando que comprou o DVD Anywhere but Home e se sentiu ofendido com a canção "Thoughtless" (música da banda Korn) devido a alguns termos usados na música, tais como palavrões. Skeens exigiu uma indenização de 57 mil dólares.
Amy Lee disse ter escrito uma música para o filme As Crônicas de Nárnia: O Leão, A Feiticeira e o Guarda-Roupa (The Chronicles of Narnia: The Lion, the Witch and the Wardrobe), mas que foi recusada, por ser "pesada". "Eu escrevi uma música para o filme, que eu amo muito, mas ela foi rejeitada pela produção. Eles disseram que a música era "muito dark" e ‘muito épica’, eu pensei sobre isso e decidi que não vou prejudicar minha arte por nada", comentou Amy Lee no EvBoard, um fórum virtual americano utilizado pela banda para manter contato com os fãs sobre novidades. Outra música supostamente feita para o filme, foi "Lacrymosa". Os produtores do filme, entretanto, refutaram a sua alegação, afirmando que esta informação era "novidade para eles", e que nenhuma música da Evanescence tinha sido planejada para inclusão na trilha sonora.
No dia 24 de agosto de 2010, Ben Moody apareceu no EvBoard postando uma mensagem dizendo qual foi a causa verdadeira de sua saída, após 7 anos sem se pronunciar.

Estilo musical
Evanescence Nós definitivamente somos uma banda de Rock, mas o que diferencia isso é que as músicas da banda são épicas, dramáticas e obscuras.Evanescence
 — Amy Lee sobre o estilo musical do Evanescence em 2003.
Classificar o estilo musical de qualquer banda atualmente é um problema, que não se limita apenas à banda Evanescence. Publicações como o New York TimesRough GuidesRolling StoneBlender e The Metal Observer identificaram a Evanescence como rock gótico, embora outras fontes como NMEMusicMightIGN e Popmatters à denominou como rock gótico. Eles foram comparados com uma variedade de bandas de diferentes gêneros, como o nu metalde conjuntos como P.O.D. e Linkin Park, metal gótico como Lacuna Coil, e metal sinfônico de grupos como Nightwish e Within Temptation. Outros gêneros e influências são utilizados para descrever o som da banda que inclue metal alternativo.
Porém, o primeiro álbum oficial da banda, Fallen, foi ligeiramente diferente dos trabalhos anteriores da mesma, motivo que levou muitos fãs a afirmarem que seu estilo mudou muito. O som passou a ser "dinâmico", rápido, o que levou muitos a classificarem tal álbum como comercial. É exatamente nessa fase que a banda recebe o rótulo de nu metal, e também por ter recebido influências de outras como Korn, que pertence a esse estilo. Em entrevista à MTV, o ex-integrante Ben Moody chegou também a afirmar que a banda era um nu metal com pegadas góticas. Mais do que definir Fallen e The Open Door, a Evanescence também faz misturas de eletrônica em seu som, utilizando sintetizadores e programadores, que pode ser ouvido em várias músicas, especialmente "Anything for You", "Haunted", "Tourniquet", "Going Under" e "Snow White Queen".
Inicialmente promovidos em lojas cristãs, por terem suas músicas vendidas em lojas de música do gênero, a banda deixou claro que não querem ser considerados parte do gênero rock cristão. Quando perguntado pela Billboard em 2006 se a Evanescence foi uma "banda cristã", Amy Lee respondeu que tudo isso já era passado, e que era coisa de Moody.